Para Clarivaldo Pessoa gentileza não é cantada

Dissolvendo o mito de que quando se curti, comenta ou compartilha algo de outrem, se está neste, oferecendo-lhe cantada…

Quando curto, comento ou compartilho fotos e postagens de um ente de jornada em redes sociais, não significa que estou dando neste, uma cantada. Quando adentro em suas redes de existências, o faço, tão somente para demonstrar afeto, carinho e respeito pelos momentos seus, como quem passou pára além de simples esbarrão, uma espiadinha, ou mesmo, besbilhotada.
Agindo assim, acabo por participar de momentos ímpares por você vividos em seus dias de enternuramentos ou angústias na alma.

Eu sei que suas redes fazem apenas parte de um todo maior no seu mundo de existências, sou sabedor de que mesmo que faça caras e bocas, diversificando os gestos, traços faciais e afins, não deixará de ser quem de fato é fora dos cliques disponíveis para efetivação de Googles exteriotipados (se sou sabedor que o rosto permanecerá o mesmo, o que faço é elencar momentos que marcam). Se curto, comento ou compartilho estes teus momentos, estou simplesmente dizendo, que bom ter você aqui, admirar-te pelo que é, sem deixar de respeitar-te pelo que fazes.

Por tanto, curtidas, comentadas e compartilhadas, não são sinais de cantadas, mas de afeto, honra e respeito pelo outro que escolheu por alguma razão nos disponibilizar sua existência, respingando parte sua essência em nós, admiradores eventuais e para além de permanências e concordâncias.

Pense nisso!

Clarivaldo Pessoa
CEO-Jornal e Site Conexão Baiana Notícias
Coach Life & Executive
Um Eterno Flagrante do Óbvio